A importância de preservar a Biodiversidade

Habitamos um planeta que abriga aproximadamente 9 milhões de espécies, segundo estimativas. Sabe-se que a biodiversidade é fundamental para a manutenção dos ecossistemas e, portanto, para a sobrevivência dos seres humanos. Apesar disso, pouco mais de 1 milhão de espécies já foram descritas pela ciência, que estima conhecer apenas 15% do total de espécies existentes.

Conhecer a diversidade biológica nos possibilita compreender e utilizar os recursos naturais para diversos fins, como elaborar fármacos para tratar doenças humanas e solucionar problemas cotidianos por meio da biomimética, mas a degradação ambiental tem sido cada vez mais veloz ameaçando a fauna e a flora antes mesmo de serem estudadas.

Anualmente, cerca de 17 milhões de hectares de floresta tropical são desmatados, o que pode ocasionar a extinção de 5% a 10% das espécies florestais dentro dos próximos 30 anos. De acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), mais de 40 mil espécies estão ameaçadas de extinção no mundo, o que equivale a 28% de todas as espécies catalogadas e avaliadas. Isso é consequência de impactos antrópicos negativos como desmatamento, degradação de habitat, exploração desmedida dos recursos naturais, caça, tráfico de animais e aquecimento global.

Apresentando 20% do total de espécies do planeta, o Brasil é o país com a maior biodiversidade do mundo, com mais de 116.839 espécies animais e 46.355 espécies vegetais conhecidas. Assim, nossa responsabilidade para com a natureza também é grande. Devemos individualmente e coletivamente aderir a práticas mais sustentáveis, reduzindo o consumo, recusando o plástico de uso único, pressionando os setores público e privado a reduzirem suas emissões e se comprometerem com a implementação de uma cadeia produtiva mais justa ambientalmente, socialmente e economicamente.

Chegou o tempo da reconexão, tardio sim, mas imprescindível para a manutenção da vida em todas as suas formas.

Paola Lupianhes Dall´Occo

Paola Lupianhes Dall´Occo é docente do curso de Ciências Biológicas da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). Possui bacharelado e licenciatura plena em Ciências Biológicas pela UPM (2000), mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela UNESP de Rio Claro (2005 e 2010 respectivamente). Tem experiência em educação no ensino fundamental, médio e superior. É docente em tempo integral da UPM, pesquisadora responsável pelo Laboratório de Taxonomia e Ecologia Animal do curso de Ciências Biológicas, componente do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do referido curso e orientadora da Liga Mack Fauna, entre outros projetos de Extensão Universitária.

Sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie

A Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) está na 71a posição entre as melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa Times High Education 2021, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação. Comemorando 70 anos, a UPM possui três campi no estado de São Paulo, em Higienópolis, Alphaville e Campinas. Os cursos oferecidos pelo Mackenzie contemplam Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado, Pós-Graduação Especialização, Extensão, EaD, Cursos In Company e Centro de Línguas Estrangeiras.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.