Clássico Cozinha Judaica é relançado

gefilte fish

A culinária é uma das partes mais essenciais de uma cultura, e no caso do povo judeu isso não é diferente. Sua gastronomia recheada de simbolismos é o tema de “Cozinha judaica”, clássico de Marcia Algranti que volta às livrarias pela Record em nova edição, atualizada e com formato diferente.

No texto, a autora une culinária e história e, por meio das receitas, conta a saga do povo judeu. A origem dos pratos remete às tradições: ela conta, por exemplo, que o Cholent e a Adafina são os pratos judeus que mais influenciaram outras cozinhas e que foram a solução encontrada para usufruir de uma comida quente no Shabat sem precisar acender fogo; conta também que o Challah (um pão em formato de trança) é servido em ocasiões especiais e representa a criação de laços e continuidade das tradições familiares.

Não se trata apenas de culinária, embora esta esteja intimamente ligada a um aprendizado de cunho sociológico e histórico. Marcia Algranti, autora

Marcia explica ainda que, por terem sido por muito tempo um povo desenraizado e espalhado pelo mundo, os judeus desenvolveram as mais variadas combinações na preparação dos pratos. A história das receitas acaba sendo também uma história de trocas culturais, que a autora conta ao descrever os pratos. Além de conhecer mais sobre o judaísmo, os leitores – judeus ou não – aprenderão a elaborar pratos tão milenares quanto saborosos, de peixes a sopas e pães, passando pelos tradicionais gefilte fish (foto de destaque), borekas de Pessach e falafel.

“Não se trata apenas de culinária, embora esta esteja intimamente ligada a um aprendizado de cunho sociológico e histórico. Muitos dos hábitos culinários judaicos resultaram de uma segregação social, obrigando o imigrante a se adaptar forçosamente a novas formas de viver, em grande parte bastante limitadas pelas adversidades que encontrou”, escreve Marcia na introdução do livro.

Marcia Algranti é filha de mãe ucraniana e pai romeno, é carioca e apaixonada por gastronomia. Trabalhou como desenhista, decoradora e headhunter de recursos humanos, mas foi na culinária que descobriu seu desejo de escrever. É autora de “Cozinha para homens e mulheres que gostam de seus homens”; “O jogo da comida: cozinha para adolescentes” e “Pequeno dicionário da gula”, indicado para o Prêmio Jabuti na categoria Ciências Humanas e Educação, entre outros.

Sem comentários

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.